NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON
Gênese de uma política pública de ações de alto custo e complexidade: as Terapias Renais Substitutivas no Brasil
Tipo:
Artigo
Referência:
CHERCHIGLIA, Mariângela Leal et al. Gênese de uma política pública de ações de alto custo e complexidade: as Terapias Renais Substitutivas no Brasil. , [201?].
Outro(s) Autor(es):
Descritor(es):
Resumo:
Introdução: a importância social e econômica da Doença Renal Crônica - DRC, e a complexidade do aparato institucional e tecnológico necessário à atenção aos usuários, nos remetem ao desafio que envolve a definição de uma política de atenção especialmente voltada aos protadores de DRC no Brasil. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento da evolução histórica das técnicas e equipamentos utilizados nas modalidades de Terapias Renais Substitutivas - TRS, e seu processo de incorporação, processo esse que foi relacionado à formulação e implementação de políticas de saúde voltadas ao portador de DRC. Método: foram realizadas busca de artigos sobre a difusão das TRS, publicados em periódicos da área médica, no Brasil e no exterior, em sítios na Internet e em livros. Resultado e Discussão: Desde a introdução das primeiras técnicas e equipamentos utilizados em diálise e transplante renal no mundo, o Brasil tem sido classificado com país seguidor no processo de inovaçãoes tecnológicas em TRS. Assim, a primeira hemodiálise foi realizada em 1949, e o primeiro transplante renal em 1965. Um fato relevante desse processo é a discrepância existente entre as velocidades de difusão da diálise e do transplante renal, que provavelmente, deve-se mais a fatores políticos e institucionais, do que econômicos e tecnológicos. Conclusão: Em que pese, no BRasil, seja curto o lag temporal de incorporação de novas téncicas e equipamentos relacionados às diálises e transplantes, uma vez incorporados tais tecnologias passam a concentrar-se na região sul e sudeste. Nesse sentido, é necessário que a política ao portador de DRC garanta tanto a integralidade do cuidado, como também a equidade noa acesso ao transplante renal.