NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    MOREL, R. L. M.; PESSANHA, E. G. F. A Justiça do Trabalho. Revista de Sociologia da USP, v. 19, n. 2, p. 87-109, 2007.
    LEITE, P. C.; SILVA, A.; MERIGHI, M. A. B. A mulher trabalhadora de enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n. 2, p. 287-91, 2007.
    CHANG, E. M. L. et al. A survey of role stress, coping and health in Australian and New Zealand hospital nurses International. Journal of Nursing Studies, v. 44, n. 8, p. 1354-62, 2007.
    GEHRING JUNIOR, G. et al. Absenteísmo-doença entre profissionais de enfermagem da rede básica do SUS Campinas. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 10, n. 3, p. 401-9, 2007.
    CAIXETA, R.T.; BRANCO, A. B. Acidente de trabalho, com material biológico, em profissionais de saúde de hospitais públicos do Distrito Federal, Brasil, 2002/2003. Caderno de Saúde Pública, v. 21, n. 3, p. 737-746, 2005.
    MARZIALE, M. H. P. et al. Acidentes com material biológico em hospital da Rede de Prevenção de Acidentes de Trabalho - REPAT. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 32, p. 109-119, 2007.
    BARBOZA, D. B.; SOLER, Z. A. S. G. Afastamentos do trabalho na enfermagem: ocorrências com trabalhadores de um hospital de ensino. Revista Latino Americana de Enfermagem. v. 11, n. 2, p. 177-83, 2003.
    ARAÚJO, Tânia M. et al. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbios psíquicos entre trabalhadoras de enfermagem. REVISTA DE SAÚDE PÚBLICA. São Paulo, v. 37, n. 4, p.424-433, 2003.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Programa de Saúde da Família, Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Dermatoses ocupacionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006, 92 p. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Saúde do Trabalhador. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    MAGNAGO, T. S. B. S. et al. Distúrbios musculo-esqueléticos em trabalhadores de enfermagem: associação com condições de trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 60, n. 6, p. 701-5, 2007.
    DIAS, E. C. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    FIALHO, G. et al. Effects of 24-h Shift Work in the Emergency Room on Ambulatory Blood Pressure Monitoring Values of Medical Residents. American Journal of Hypertension, v. 19, p. 1005-9, 2006.
    JOFFE, M. D. Emergency department provider fatigue and shift concerns. Clinical Pediatric Emergency Medicine, v. 7, p. 248-54, 2006.
    MALUF, S. W.; ERDTMANN, B. Evaluation of occupational genotoxic risk in a Brazilian hospital. Genetics and Molecular Biology, v. 23, n. 2, p. 485-8, 2000.
    ORGANIZAçãO PAN-AMERICANA DE SAúDE. Faltam profissionais de saúde: relatório mundial da saúde 2006. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    MANETTI, M. L.; MARZIALE, M. H. P. Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de Enfermagem. Estudos de Psicologia, v. 12, n. 1, p. 79-85, 2007.
    TOOMINGAS, A.; HASSELHORN, H. M. Impact of occupational health harzards in health care work. In: HASSELHORN, H. M.; TOOMINGAS, A.; LAGERSTRÖM, M. Occupational health for health care workers. A practical guide. Amsterdam: Elsevier, 1999. p. 1-5.
    BRASIL. Lei Federal n.º 8.080 de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e a recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 set. 1990. Seção 1. p 18055.
    BRASIL. Lei Nº 8.213, de 24 de julho de 1991, DOU de 14/08/1991. Dispõe sobre o Plano de Benefícios da Previdência Social. Brasília, DF, 1991. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    ASSUNCAO, Ada Ávila . Manual de rotinas: ambulatorio de doencas profissionais. Belo Horizonte: Imprensa Universitaria da UFMG, 1992. 147p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Notificação de Acidentes do Trabalho Fatais, Graves e com Crianças e Adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 32 p. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Saúde do Trabalhador. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    CAMPOS, M. A. O trabalhador da saúde portador do vírus do HIV: lições para biossegurança e ética. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 45, n. 2, p. 163-8, 1999.
    ROSS-ADJIE, G.M.; LESLIE, G.; GILMAN, L. Occupational stress in the ED: What matters to nurses? Australian Emergency Nursing Hospital, v. 10, p. 117-23, 2007.s
    MENDES, R. Patologia do trabalho. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2003.
    FISCHER, F. M. et al. Percepção de sono: duração, qualidade e alerta em profissionais da área de enfermagem. Cadernos de Saúde Pública, v. 1, n. 5, p. 1261-9, 2002.
    FERRAREZE, M. V. G.; FERREIRA, V.; CARVALHO, A. M. P. Percepção do estresse entre enfermeiros que atuam em Terapia Intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, v. 19, n. 3, p. 310-5, 2006.
    WÜNSCH FILHO, V. Perfil epidemiológico dos trabalhadores. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 2, n. 2, p. 103-17, 2004.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Pneumoconioses. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 76 p. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Saúde do Trabalhador. Disponível: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    BRASIL. Portaria GM n.º 485, de 11 de novembro de 2005. NR 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Diário Oficial da União de 16 de novembro de 2005.
    BRASIL. Portaria Interministerial MPS/MS/TEM, Nº 800, Minuta de Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalho de 03 de maio de 2005. Diário Oficial da União de 05 de maio de 2005.
    BRASIL. Portaria MTB nº 3.214, de 08 de junho de 1978. Disponível em: Acesso em: 16 jun. 2009.
    OLIVEIRA, S. G. Proteção jurídica à saúde do trabalhador. São Paulo: LTR, 1996.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Trabalhadores: Manual de Gerenciamento. 2006. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2009.
    Saúde do trabalhador
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. área Técnica de Saúde do Trabalhador. Saúde do trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
    BERTOLETTI, J.; CABRAL, P. M. F. Saúde mental do cuidador na instituição hospitalar. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v. 23, n. 1, p. 103-10, mar 2007.
    FELICIANO, K. V. O.; KOVACS, M. H.; SARINHO, S. W. Sentimentos de profissionais de serviços de pronto-socorro pediátrico: reflexões sobre o burnout. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 5, n. 3, p. 319-28, 2005.
    TEPAS, D. et al. The impact of night work on subjective reports of wellbeing: an exploratory study of health care workers from five nations. Revista de Saúde Pública, v. 38, p. 26-31, 2004. Suplemento.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Trabalho Infantil. Diretrizes para a Atenção Integral à Saúde de Crianças e Adolescentes Economicamente Ativos. Protocolos de Complexidade Diferenciada. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 76 p.
    SILVEIRA, A. M.; DIAS, E. C. Trabalho precoce: o setor saúde pode contribuir para sua eliminação? DEVIR- Esquizoanálise e seus encontros, v. 1, n. 2, p. 39-60, 2002.