NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    CAMPOS, V. S.; AMARAL, M. A. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.12, n.4, p.849-859, 2007.
    CUNHA, G. T. A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Editora Hucitec, 2005. 212 p.
    Moreira, MCN. A construção da clínica ampliada na atenção básica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p.1735-1742, jul. 2007.
    BARRETO, J. A. E.; MOREIRA, R. V. O. A decisão de Saturno: filosofia, teorias de enfermagem e cuidado humano. Fortaleza: Casa José de Alencar, 2000. (Coleção Alagadiço Novo).
    Matos, MAB. A implantação de Linhas Guia de Atenção à Saúde em Minas Gerais. ppt. In: MOSTRA NACIONAL DE PRODUçãO EM SAúDE DA FAMíLIA, 3., 06 de Agosto de 2008, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2009.
    ESPíRITO SANTO. Secretaria de Saúde. Anexo 6. Linhas-Guia e Manuais. Disponível em:. Acesso em 02 set. 2008.
    Luz, PM.; Miranda, KCL. As bases filosóficas e históricas do cuidado e a convocação de parceiros sexuais em HIV/AIDS como forma de cuidar. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2007 Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2010.
    Paim, JS. Atenção à saúde no Brasil. In: BRASIL.Ministério da Saúde. Saúde no Brasil: contribuição para a agenda de prioridades de pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. p.14-40.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Ato Portaria nº 373/GM, de 27 de Fevereiro de 2002. Norma Operacional da Assistência à Saúde / SUS – NOAS/SUS – 01/02. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
    STEIN, A. T. Busca da melhor evidência e de efetividade no GHC. Momento & Perspectiva Saúde. Revista Técnico-Científica do Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p.72-73, jul./dez. 2005.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. v. 17.
    PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Cuidado: as fronteiras da integralidade. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 2004. 320p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição/Gerência de Ensino e Pesquisa. Diretrizes Clínicas/Protocolos Assistenciais. Manual Operacional. Porto Alegre: 2008. 11 p.
    SILVA JúNIOR, A. G.; ALVES, C. A.; MELLO ALVES, M. G. M. Entre tramas e redes: cuidado e integralidade. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. Construção social da demanda. Rio de Janeiro: Abrasco, 2005. p. 65-112.
    JACQUES, E. J.; GONçALO, C. R. Gestão estratégica do conhecimento baseada na construção de protocolos médico-assistenciais: o compartilhamento de ideias entre parcerias estratégicas como vantagem competitiva. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 4, n. 1, p.106-124, 2007.
    MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Linhas-guia da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2009.
    CONSELHO REGIONAL DE ENFEMAGEM/MINAS GERAIS-COREN-MG. Câmara Técnica da Atenção Básica. Memorando nº. 023/2006. Belo Horizonte, 11 de setembro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2008.
    FARIA, H. P. et al. Modelo assistencial e atenção básica à saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
    FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. 1838 p.
    CRUZ. A. J. O.; KNOPMAN, J. O que são algoritmos? Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em:. Acesso em: 30 jun. de 2009.
    SANTANA, J. P. (Org.). Organização do cuidado a partir de problemas: uma alternativa metodológica para a atuação da Equipe de Saúde da Família. Colaboração do Ministério da Saúde e do Pólo de Capacitação em Saúde da Família da UFMG: NESCON - Faculdade de Medicina e Escola de Enfermagem. bBrasília: Organização Pan-Americana da Saúde/Representação do Brasil, 2000. 80p. Disponível em: www.opas.org.br, Acesso em: set. 2008.
    CARDOSO, F. C. Planejamento e avaliação das ações de saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 de março de 2009.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 816 de 31 de maio de 2005. Constitui o Comitê Gestor Nacional de Protocolos de Assistência, Diretrizes Terapêuticas e Incorporação Tecnológica em Saúde, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, nº 104 de 02 jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 de março de 2009.
    VASCONCELOS, M. et al. Práticas educativas em atenção básica à saúde: tecnologias para abordagem ao indivíduo, família e comunidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.
    FARIA, H. P. et al. Processo de trabalho em saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
    Moysés, ST et al. Protocolo de atendimento. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica, 2003.
    Picon, PD.; Beltrame, A. (Org.). Protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas: medicamentos excepcionais. Porto Alegre/RS: Gráfica e Editora Palotti, 2002. v.1, p.13-6.
    SCHNEID, S. et.al. Protocolos clínicos embasados em evidências: a experiência do Grupo Hospitalar Conceição. Revista AMRIGS, Porto Alegre, v. 47, n. 2, p.104-114, abr/jun. 2003.
    BOFF, L. Saber cuidar. ética do humano – compaixão pela terra. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. 199 p.