NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    ROZEMBERG, B.; MINAYO, M. C. de S. A experiência complexa e os olhares reducionistas. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 6, n. 1, 2001. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2008.
    EGRY, E.Y.; FONSECA, R.M.G.S. A família, a visita domiciliária e a enfermagem: revisitando o processo de trabalho da enfermagem em saúde coletiva. Rev. Esc. Enf. USP, vol. 34, n. 3, p. 233-239, set. 2000. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2008.
    VIANA, Ana Luisa D’ávila; DAL POZ, Mario Roberto. A reforma do sistema de saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis, Rio de Janeiro, p. 225-264, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2008.
    RAUPP, B. et al. (Org.). A vigilância, o planejamento e a educação em saúde no SSC: uma aproximação possível? In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 207-216.
    ALMEIDA, S.A vivência no grupo: a experiência de pessoas diabéticas. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 44 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).
    MELO, M. B. de; BRANT, L.C. Ato médico: perda da autoridade, poder e resistência. Psicol. Cienc. Prof. [on-line]. vol. 25, n. 1, mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    MARTINS, A. Biopolítica: o poder médico e a autonomia do paciente em uma nova concepção de saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., vol. 8, n. 14, p. 21-32, set. 2003-fev. 2004.
    DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cad. CEDES, Campinas, vol. 19, n. 44, 1998. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2007. Pré-publicação.
    BERSTEIN, M. Contribuições de Pichon-Rivière à Psicoterapia de Grupo. In: OSóRIO, Luiz C; col. Grupo terapia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.
    SILVA, A. A. Democracia e democratização da educação: primeiras aproximações a partir da teoria do valor. In: PARO, V. H. (Org.). A teoria do valor em Marx e a educação. São Paulo: Cortez Editora, 2006. p.11-31.
    L’ABBATE, S. Educação em saúde: uma nova abordagem. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 10, n. 4, 1994. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2007.
    GRILLO, Maria José Cabral. Educação permanente em saúde: um instrumento para a reorganização da atenção em saúde. Belo Horizonte, 2012. 8p.
    HADDAD, J. Q.; ROSCHKE, M. A.; DAVINI, M. C. (Ed.). Educación Permanente de Personal de Salud. Washington DC: OPS, 1994. 247 p. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos em Salud, 100).
    SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 39. ed. Campinas/SP: Autores Associados, 2007. 102 p. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, vol. 5).
    LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez Editora, 1994.
    PICHON-RIVIÈRE, E.; QUIROGA, A.P. de; GANDOLFO, C.; LAZZARINI, M. Grupo operativo y modelo dramático. Relato presentado en el Congreso Internacional de Psicodrama y en el Congreso Latinoamericano de Psicoterapia de Grupo, Bs. As., 1969. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2008.
    PORTARRIEU, M.L.; TUBERT-OKLANDER, J. Grupos operativos. In: OSóRIO, L.C. et al. Grupoterapia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.
    SOARES, Sônia Maria; FERRAZ, Aidê Ferreira. Grupos operativos de aprendizagem nos serviços de saúde: sistematização de fundamentos e metodologias. : ESCOLA ANNA NERY: REVISTA DE ENFERMAGEM, v. 11, n. 1, 14p., 2007.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b. 20 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    REDE Interagencial de Informação para a Saúde.Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. REDE Interagencial de Informação para a Saúde – Ripsa. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. 349 p.
    Jornal Sirimim
    BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Saúde. Jornal Sirimim, ano 2, n.1, set./out., 2003.
    BRASIL. Lei n° 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Lei nº 11.350/2006, de 05 de outubro de 2006. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Lei nº 8.080 - Lei Orgânica da Saúde, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set.1990.
    GAYOTTO, M. L. C.; DOMINGUES, I. Liderança: aprenda a mudar em grupo. Petrópolis: Vozes, 1998.
    FERREIRA, A.B. de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. 1838 p.
    FRANCO, T. B.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 15, n. 2, 1999. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2008.
    FERRAZ, L.; AERTS, D.R.G. de C. O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 10, n. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2008.
    MERHY, E. E. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface (Botucatu), Botucatu, vol. 9, n. 16, p. 172-174, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2008.
    CARVALHO, M.A.P.; ACIOLI, S.; STOTZ, E.N.; VASCONCELOS, E.M. (Org.). O processo de construção compartilhada do conhecimento. In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: refl exões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 101-114.
    PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. (El proceso grupal). Tradução de Marco Aurélio Fernandes Velloso. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
    FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004. 148 p. (Coleção Leitura).
    GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo Perspec., São Paulo, vol. 14, n. 2, 2000. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus: Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União, Brasília 22 fev. 2006. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as Diretrizes para Implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 ago. 2007.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648. Brasília, 28 de março de 2006. Diário Oficial da União, 29 mar. 2006, Seção I. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto MultiplicaSUS: oficina de capacitação pedagógica para a formação de multiplicadores. ROSSI, Silvana Solange (Org.) et al. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 84 p. (Série D. Reuniões e Conferências).
    CAMPOS, G. W. S. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In: MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Org.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997. p. 229-266.
    YALON, I. D. The theory and practice of group psychotherapy. New York: Basic Books, 1975.
    FARIA, H. de. et al. Modelo Assistencial em Saúde. In: ____. Unidade didática I: processo de trabalho em saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG; NESCON/UFMG, 2008.
    BENEVIDES, I. de A.; VASCONCELOS, E. (Org.). Viagem pelos caminhos do coração. In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 169-205.
    TULIO, E. C.; STEFANELLI, M. C.; CENTA, M. de L. Vivenciando a visita domiciliar apesar de tudo. Fam. Saúde Desenv., Curitiba, vol. 2, n. 2, p. 71-79, jul./dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.