NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    OLIVEIRA, J. A.; TEIXEIRA, S. M. F. (Im)previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1985.
    VIANA, A. L. A. A América Latina no contexto de reformas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, 2002. Mimeografado.
    VIANNA, M. L. T. W. A americanização da seguridade social no Brasil: estratégias de bem-estar e políticas públicas. Rio de Janeiro: Revam, UCAM, UPERJ, 1998.
    LEVCOVITZ, E. A capacidade operativa da rede assistencial do SUS: recuperação e adequação. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social. Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 1993. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 66).
    ARISTóTELES. A Constituição de Atenas. Rio de Janeiro: Hucitec, 1995.
    KUHN, T. S. A Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1982.
    GRAçA, L. A evolução do sistema hospitalar: uma perspectiva sociológica. Lisboa, 1996. Disponível em: http://www.ensp.unl.pt/luis.graca/historia2_hospital.htm. Acesso em: 29 abr. 2010
    ILLICH, I. A expropriação da saúde: nêmesis a medicina. São Paulo: Nova Fronteira, 1975.
    BARRETO, M. R. N. A medicina luso-brasileira: instituições, médicos e populações enfermas em Salvador e Lisboa (1808–1851). 2005. 257 f. Tese (Doutorado) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2005.
    TOURAINE, A. (1973) - A organização profissional da empresa. In: Friedman, G.; Naville, P. (1973): Tratado de sociologia do trabalho. São Paulo: Cultrix, Vol. I. 1973. 445-468.
    FLEURY, S. A reforma sanitária e o SUS: questões de sustentabilidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 307-309, 2007.
    PLATÃO. A República. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.
    NUNES, E. D. A sociologia da saúde nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França: Panorama geral. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 79-95, 2003.
    MEDEIROS, M. A trajetória do Welfare State no Brasil: papel redistributivo das políticas sociais dos anos 1930 aos anos 1990. Brasília, IPEA, 2001.
    ORGANIZAçãO PAN-AMERICANA DE SAúDE – OPAS. A transformação da gestão de hospitais na América Latina e Caribe. Brasília: OPAS/OMS, 2004.
    MENDES, E. V. A vigilância à saúde no distrito sanitário. Brasília: OPAS, 1993. (Série Desenvolvimento de Serviços de Saúde, 10)
    PORTELA, M. C. et al. Algoritmo para a composição de dados de internação a partir do sistema de informações hospitalares do sistema único de saúde (SIH/SUS). Composição de dados por internação a partir do SIH/SUS. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 771-774, out/dez. 1997.
    DEVERS, G. E. A. An epidemiological model for health policy analysis. Social Indicators Research, Dordrecht, v. 2, p. 453-466, 1976.
    COELHO, I. B. As propostas de modelos alternativos em saúde. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2009.
    ARAúJO, A. R. Assistência médica hospitalar no século XIX. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1982.
    OLIVEIRA, Valdir de Castro . Comunicação, informação e ação social. In: Brasil. Ministério da Saúde. Organização do cuidado a partir de problemas: uma alternativa metodológica para a atuação da Equipe de Saúde da Família. Brasília: OPAS, p.65-74, 2000.
    KLOETZEL, K. et al. Controle de qualidade em atenção primária à saúde. I - A satisfação do usuário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, p. 623-628, 1998.
    REINHARDT, U. E.; HUSSEY, P. S.; ANDERSON, G. F. Cross-national comparisons of health systems using OECD 1999. Health Aff, Millwood, v. 21, p. 169-181, 2002.
    ROSEN, G. Da polícia médica à medicina social: ensaios sobre a história da assistência médica. Rio de Janeiro: Graal, 1980.
    CURI, L. M. Defender os sãos e consolar os lázaros: Lepra e isolamento no Brasil 1935/1976. 2002. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2002.
    ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE – OPAS. Directorio de hospitales de América Latina y Caribe, Washington, DC: OPS; 1997.
    COHN, A.; ELIAS, P. E. M. Equidade e reforma na saúde nos anos 90. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, supl., p. 173-180, 2002.
    ALMEIDA, C. M. Equidade e reforma setorial na América Latina: um debate necessário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.18, supl., p.23-36, 2002.
    GONçALVES, E. L. Equipamento hospitalar no Brasil: presença, regionalização e tendências. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.11, p. 143-150, 1977.
    INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATíSTICA - IBGE. Departamento de População e Indicadores Sociais. Estatísticas da saúde: Assistência Médico Sanitária, 2002. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.
    ARISTÓTELES. ética a Nicômaco. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores).
    GRAÇA, L. Evolução do sistema hospitalar: uma perspectiva sociológica. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Livre de Lisboa, 1996. Apostilas de cursos oferecidos na Escola Nacional de Saúde Pública).
    GRABOIS, V.; CASTELAR, R.; MORDELET, P. Gestão hospitalar: um desafio para o hospital brasileiro. Rio de Janeiro: ENSP, 1995.
    FOUCAULT, M. História da loucura na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.
    HOLANDA, S. B. História geral da civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1995. Tomo I, v. 2.
    ANTUNES, J. L. F. Hospital: instituição e história social. São Paulo: Letras e Letras, 1991.
    MCKEE, M. et al. Pressures for change. In: MCKEE, M.; HEALY, J. (Ed.) Hospitals in a changing Europe. Buckingham: Open University Press, 2002. p.36-58.
    PREKER, A. S. Innovation in health service delivery: the corporatization of public hospitals. Washington, DC: The World Bank, 2003.
    SCOTTI, R. W. et al. Institutional change and health care organization: from professional dominance to managed care. Chicago: The University of Chicago Press, 2000.
    ROCHAIX, M. Les questions hospitalières: de la fin de l’Ancien Régime à nos jours. Paris: Berger-Levrault, 1996.
    STEUDLER, F. L’evolution de la profession medicale: essai d’analyse sociologique. Cahiers de Sociologie et de Demographie Medicales, Paris, n. 2, p. 61-67, 1973.
    STEUDLER, F.. L’Hopital en Observation. Paris: Armand Colin, 1974.
    GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.
    CHAUVENET, A. Medecines au choix medec. de classes. Paris: Edições PUF, 1978.
    FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
    CAMPOS, G. W. S. Modelos de atenção em saúde pública: um modo mutante de fazer saúde. Saúde em Debate, Londrina, n. 37, p. 16-19, 1992.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Norma Operacional Básica do Sistema único de Saúde/NOB – SUS, 96. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.
    TEIXEIRA, A.; BAHIA, L.; VIANNA, M. L. W. Nota sobre a regulação dos planos de saúde de empresas, no Brasil. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Regulação & Saúde: estrutura, evolução e perspectivas da assistência médica suplementar. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde- ANS, 2002.
    FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1980.
    SANTOS, M. A. B.; GERSCHMAN, S. O Sistema único de Saúde como desdobramento das políticas de saúde do século XX. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 177-227, jun. 2006.
    PIANCASTELLI, C. H.; FARIA, H. P.; SILVEIRA, M. R. O trabalho em equipe. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Organização do cuidado a partir de problemas: uma alternativa metodológica para a atuação da Equipe de Saúde da Família. Brasília: OPAS, 2000. p. 45-50.
    FREIDSON, E. Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 11, n. 31, p. 141-145, 1996.
    TELAROLLI JUNIOR, R. Poder e saúde: as epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo: Editora Unesp, 1996.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. 4. ed. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2007. 68p. (Série E. Legislação em Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v.4).
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.444 de 28 dez. 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada por meio do programa saúde da família. Diário Oficial da União, Brasília, 29 dez. 2000, seção 1.
    BRASIL. Ministério da Saúde.Portaria nº 267, de 06 mar. 2001. Diário Oficial da União, Brasília, n. 119, 6 mar. 2001. Seção 1, p. 67.
    FARIA, H. et al. Processo de trabalho em saúde. 2 ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed, 2009.
    FREIDSON, E. Profession of medicine. New York: Dodd Mead, 1970.
    FRIEDSON, E. Professional dominance. Chicago: Aldine, 1970.
    LANE, J-E (Ed.). Public Sector Reform: rationale, trends, problems. London: Sage Publications, 1997.
    FEKETE, M. C. Qualidade na prestação do cuidado em saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Organização do cuidado a partir do problema: uma alternativa metodológica para a atuação da equipe de saúde da família. Brasília: OPAS, 2000. p. 51-7.
    BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde.Recursos humanos: um desafio do SUS/Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2004. (CONASS Documenta; 4).
    ALMEIDA, C. M. Reforma do estado e reforma de sistemas de saúde: experiências internacionais e tendências de mudança. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 263-286, 1999.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Reforma do Sistema da Atenção Hospitalar Brasileira. Brasília: Editora MS, 2004.
    CARAPINHEIRO, G. Saberes e poderes no hospital. Porto: Edições Afrontamento, 1998.
    LEUCOVITZ, E.; PEREIRA, T. R. C. SIH/ SUS (Sistema AIH): uma análise do sistema público de remuneração de internações hospitalares no Brasil 1983-1991. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 1993. 83p. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 57).
    WHOSIS - Sistema de Informação Estatística da OMS. Informa, no item “Health Personnel” a quantidade de médicos, odontologistas, enfermeiros, parteiras e farmacêuticos de todos os países-membros (os dados variam entre os anos de 1995 e 1998). Disponível em: http://www3.who.int/whosis/menu.cfm. Acesso em 15 jul. 2009.
    MARTINS, M.; TRAVASSOS, V.; NORONHA, J. C. Sistema de Informações hospitalares como ajuste em índice de desempenho. Revista de Saúde Publica, São Paulo, 35(2):185-192. 2001;Rio de Janeiro.
    GUIMARÃES, C. Situação assistencial brasileira. In: GONÇALVES, E. (Org.). Administração de saúde no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1989. p.103-109.
    PLATÃO. Sofista. São Paulo: Abril Cultural, 1972. p. 135-203. (Coleção Os Pensadores).
    ABRANTES PEGO, R.; ALMEIDA, C. M. Teoria y práctica de las reformas em los sistemas de salud: los casos de Brasil e México. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 971-989, jul-ago, 2002.
    FLECK, Ludwik. The genesis and development of a scientific fact. Chicago: University of Chicago Press, 1979.
    FREIDSON, E. The hospital in the modern society. London: The Free Press of Glencoe, 1963.
    DONABEDIAN, A. The seven pillars of quality. Archives of Pathology and Laboratory Medicine, Chicago, v. 114, n. 11, p.1115-1118, Nov, 1990.
    ROSEN, G. Uma história da saúde pública. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1994.
    FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.