NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    ALVES, José Eustáquio Diniz. A definição de família convivente do IBGE: cuidados metodológicos necessários. Aparte - inclusão social em debate. Rio de Janeiro: UFRJ, p.1-4, 2005.
    MENEZES, Joyceane Bezerra de. A família na constituição federal de 1988 - uma instituição plural e atenta aos direitos de personalidade. NEJ. Itajaí, v. 13, n. 1, jan-jun 2008.
    As ferramentas de trabalho com famílias utilizadas pelas equipes de Saúde da Família de Curitiba, PR. São Paulo, v. 18, n. 3, p.515-524, 2009.
    RIBEIRO, Edilza Maria. As várias abordagens da família no cenário do programa/estratégia de saúde da família (PSF). Ribeirão Preto: Revista Latino-Americana de Enfermagem., v. 12, n. 4, p. 658-664, jul./ago. 2004.
    GRAHAM, R. . Clientelismo e política no Brasil do século XIX.. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
    CECAGNO, Susana; SOUZA, Maiquel Danzer de; JARDIM, Vanda Maria da Rosa. Compreendendo o contexto familiar no processo saúde-doença. Acta Scientiarum. Healh Sciences. Maringá, v. 26, n. 1, p.107-112, 2004.
    FONSECA, Cláudia. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. SAÚDE E SOCIEDADE. São Paulo, v. 14, n. 2, p.50-59, maio-ago. 2005.
    BRASIL. Constituição (1988) . Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. 
    DIAS, Ruth Borges . Diretrizes de intervenção quanto a mudanças de comportamento: a entrevista motivacional. In: PEREIRA, Alexandre de Araújo (org.). Diretrizes clínicas para atuação em saúde mental na Atenção Básica. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, p.1-11, 2009.
    GOMES, M. A.; PEREIRA, M. L. D. Família em situação de vulnerabilidade social: uma questão de políticas públicas. Ciência e Saúde Coletiva,v. 10, n. 2, p. 357-363, 2005.
    ACOSTA, Ana Rojas; VITALE, Maria Amália Faller ( Org). Famílias: redes, laços e políticas públicas. 4 ed. São Paulo: Cortez/Instituto de Estudos Especiais, p. 1203 -1208, 2008.
    REBELO, L. Genograma familiar: o bisturi do médico de família. REVISTA PORTUGUESA DE CLÍNICA GERAL. , v. 23, p. 309-317, 2007.
    MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais . Implantação do plano diretor da atenção primária à saúde. Oficina 6: abordagem familiar. Belo Horizonte: ESPMG, 2010. 36p.
    BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade . Manual do Sistema de Informação na Atenção Básica. Brasília, 1988.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de Atenção à Saúde . Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2007. 68p.
    OLIVEIRA, Celina Camilo de; CAMPOS, Francisco Carlos Cardoso de . Projeto Social: saúde e cidadania. NESCON/UFMG - Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família . Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2009. 108p.
    CHAIMOWICZ, F. et al. Saúde do idoso. Belo Horizonte: NESCON/UFMG, Coopmed, 2009.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Violência contra a mulher: uma questão transnacional e transcultural das relações de gênero. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, p.117-140, 2005.
    MINAYO, M. C. de S.; SOUZA, E. R. Violência contra idosos: é possível prevenir. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância emSaúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2005, p. 141-170.