NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estatísticas. Área Técnica de Saúde da Mulher . Direitos sexuais e direitos reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 26p.
    BRASIL . Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Brasilia, 25 jun 1986. Seção 1, p. 9275-9279
    A epidemia de aids entre as mulheres
    VILLELA, W.; DINIZ, S. A epidemia de aids entre as mulheres. São Paulo: NEPAIDS/CFSS, 1998.
    MENDES, E. V. A modelagem das Redes de Atenção à Saúde. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2006. Disponível em: . Acesso em 29 abr. 2010.
    LAURENTI, R.; JORGE, M. H. P. M.; GOTLIEB, S. L. D. A mortalidade materna nas capitais brasileiras: algumas características e estimativa de um fator de ajuste. Revista Brasileira de Epidemiologia. v.7, n. 4, p. 449-60, 2004.
    ANDRADE, C. J. M. As equipes de saúde da família e a violência doméstica contra a mulher: um olhar de gênero (Tese) – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
    As práticas de enfermagem em saúde da mulher, em Minas Gerais: um olhar de gênero
    COELHO, S. As práticas de enfermagem em saúde da mulher, em Minas Gerais: um olhar de gênero (Tese) - Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (Série A. Normas e manuais técnicos, n. 40).
    BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência Integral à saúde da mulher: bases de ação programática. Brasília: Ministério da Saúde, 1984.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência integral à saúde da mulher: bases de ação programática. Brasília: Ministério da Saúde, 1984. 26p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 316p.
    BEDONE, A. J.; FAÚNDES, A. Atendimento integral às mulheres vítimas de violência sexual: Centro de Assistência Integral à Saúde da Mulher, Universidade Estadual de Campinas. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 2, p. 465-9, 2007.
    SERRUYA, S. J.; LAGO, T. G.; CECATTI, J. G. Avaliação preliminar do programa de humanização no pré-natal e nascimento no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia Obstetrícia, v. 26, n.7, p. 517-25, 2004.
    Censo Demográfico 2010: sinopse do censo e resultados preliminares do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponivel em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000402.pdf
    ANDREA, C. E. et al. Citologia do derrame papilar. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 42 , n. 5, p. 333-7, 2006.
    BRASIL. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada . Comunicados do IPEA número 65 PNAD 2009 - Primeiras análises: investigando a chefia feminina de família. Brasília: IPEA, 2010.
    BRASIL. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada . Comunicados do IPEA n� 149: trabalho para o mercado e trabalho para a casa: persistentes desigualdades de gênero. Brasília: IPEA, 2012. Disponivel em: https://blogdacnef.files.wordpress.com/2012/05/120523_comunicadoipea0149.pdf
    PELLOSO, S. M.; CARVALHO, M. D. B.; HIGARASHI, I. H. Conhecimento das mulheres sobre o câncer cérvico-uterino. Acta Scientiarum, v. 26, n. 2, p. 319-24, 2004.
    BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 132p. h.
    IACONELLI, V. Depressão pós-parto, psicose pós-parto e tristeza materna. Pediatria Moderna, v. 41, n. 4, p. 41-55, 2005.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. área Técnica de Saúde da Mulher. Direitos sexuais e direitos reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. a
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. c
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. b
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas . Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
    BRASIL. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica . Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA, 2011. 101p.Disponivel em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/Diretrizes_rastreamento_cancer_colo_utero.pdf
    Enfermagem e saúde da mulher
    FERNANDES, R. A. Q.; NARCHI, N. Z. (Org.). Enfermagem e saúde da mulher. São Paulo: Manole, 2007.
    Fonseca, RMGS. Equidade de gênero e saúde das mulheres. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 39, n. 4, p. 450-9, 2005.
    BRASIL. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2011. Disponivel em: http://portal.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/estimativas-de-incidencia-de-cancer-2012/estimativas_incidencia_cancer_2012.pdf
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância de Câncer. Estimativas 2008: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2007. a
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. área Técnica de Saúde da Mulher. Gestação de alto risco. Brasília, 2000.
    CAMARGOS, A. et al. Ginecologia Ambulatorial. 2 ed. Belo Horizonte: Coopmed, 2008.
    NUNES, C. G. F. Globalização e trabalho: perspectivas de gênero. Brasília: CFEMEA, 2002.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização . Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. c
    BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres . II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. 205p.
    BRASIL. Lei nº 10.778, 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 nov. 2003. Seção 1, p. 11-12.
    BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8 do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres e da convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 08 ago. 2006. Seção 1, p. 1-2.
    BRASIL. Lei nº 7.498/86. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 jun. 1986. Seção 1, p. 9279-9275.
    BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regulamenta o § 7º, da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Braília, DF, 15 jan. 1996. Seção 1, p. 1-3.
    BRASIL. Ministério da Saúde; Instituto Nacional do Câncer . Mamografia: da prática ao controle. Rio de Janeiro: Inca, 2007. 109p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.Manual de atenção à mulher no climatério/menopausa. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. g
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de saúde bucal na doença falciforme. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.
    NESCON. Módulo saúde da mulher. Belo Horizonte: Nescon, 2000. Curso de Especialização BH Vida. (mimeografado).
    BRASIL. Portal da Saúde. Saúde da Mulher. Mortalidade feminina cai 12% nos últimos 10 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponivel em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/noticias-anteriores-agencia-saude/2784-mortalidade-feminina-cai-br-12-nos-ultimos-10-anos
    MULHER e Aids: enfrentando as desigualdade. São Paulo: Rede Saúde, 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2010.
    Fonseca, RMGS. Mulher, direito e saúde: repensando o nexo coesivo. Saúde e Sociedade, v. 8, n. 2, p. 3-32, 1999.
    NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Mulheres vítimas de violência doméstica: compreendendo subjetividades assujeitadas. Psico, v. 37, n. 1, p. 7-13, 2006.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Nomenclatura brasileira para laudos cervicais e condutas preconizadas: recomendações para profissionais de saúde. 2 ed. Rio de Janeiro: Inca, 2006.g
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Parâmetros técnicos para programação de ações de detecção precoce do câncer da mama: recomendações para gestores estaduais e municipais. Rio de Janeiro: Inca, 2006. f
    BRASIL. Ministério da Saúde . Parâmetros técnicos para programação de ações de detecção precoce do câncer da mama: recomendações para gestores estaduais e municipais. Rio de Janeiro: INCA, 2006. 30p
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica. Perfil das mulheres responsáveis pelo domicílio no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. b
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento . Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores 2011. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 282p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. (Série C, Projetos, programas e relatórios). a
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_mulher_principios_diretrizes.pdf
    BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS (PNPIC). Brasília: Ministérios da Saúde, 2005. e
    YANNOULAS, S. C. Políticas públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. Brasília: CFEMEA, 2002.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.439/GM de 8 de dezembro de 2005. Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica: promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação e cuidados paliativos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 dez. 2005. Seção 1, p. 80-81.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 jan. 2007. Seção 1, p. 45-51.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 325, de 21 de fevereiro de 2008. Estabelece prioridades, objetivos e metas do Pacto pela Vida para 2008. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 22 fev. 2008. Seção 1 p. 37-31. e
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 e aprova suas diretrizes operacionais. Brasília: Ministério da Saúde 2006. i
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 531, de 26 de março de 2012. Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponivel em: http://www1.inca.gov.br/pqrt/download/portaria_ms531_2012.pdf
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 779 de 31 de dezembro de 2008. Define o Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama (SISMAMA), altera a tabela de procedimentos, medicamentos e órteses, próteses e materiais especiais - OPM do SUS. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 jan. 2009. Seção 1, p. 38. f
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 779 de 31 de dezembro de 2008. Implanta o Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama (SISMAMA). Brasília: Ministério da Saúde, 2008. d
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília: Ministérios da Saúde, 2005. b
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas . Pre-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 162p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. área Técnica de Saúde da Mulher. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas . Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. 3 ed. atual. e ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 123p.
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Mensal de Emprego. Principais destaques da evolução do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Programa nacional de controle do câncer de mama. Rio de Janeiro, 2011.
    MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Protocolo assistencial a pessoa portadora de Diabetes mellitus tipo I e Diabetes mellitus gestacional. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Saúde, 2006.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer - INCA. Prefeitura Municipal de Curitiba. Rastreamento organizado do câncer de mama: a experiência de Curitiba e a parceria com o Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 2011. 24p.
    ALMEIDA, A. B. Reavaliando o climatério: enfoque atual e multidisciplinar. São Paulo: Atheneu, 2003.
    ALMEIDA, Áurea Beirão de. Reavaliando o climatério: enfoque atual e multidisciplinar. São Paulo: Atheneu, 2003. 475p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer . Recomendações do INCA para reduzir a mortalidade por câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2010. Disponivel em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/folder_rosa3.pdf
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia anti-retroviral em gestantes. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. e
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Analise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2006: uma análise da situação de saúde no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. b
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde . Saúde Brasil 2006: uma análise da situação de saúde no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 622p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. d
    CHAIMOWICZ, F. et al. Saúde do idoso. Belo Horizonte: Nescon/Coopmed, 2009.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção à Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA. Brasília, 2010. 300p.
    INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios ( PNAD) . Síntese de indicadores 2009. , 2009. Disponivel em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2009/
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica. Síntese de indicadores sociais 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. a
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais . Síntese de indicadores sociais 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população Brasileira - 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. a
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais . Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. 280p.
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão . Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira, 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 317p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer . SISMAMA - informação para o avanço das ações de controle de câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro: CEDC, 2010. Disponivel em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/Sismama.pdf
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Sistema de informação do câncer do colo do útero - SISCOLO. Rio de Janeiro: Inca, 2005. f
    BRASIL. Ministério do planejamento, orçamento e gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais . Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2001 e 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. Disponivel em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/tempo_trabalho_afdom_pnad2001_2005.pdf