NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    SHIMAZAKI, M. E. A Atenção Primária à Saúde. In: MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais. Plano Diretor da APS. Guia do tutor/facilitador. Belo Horizonte: ESPMG, 2009.
    OLIVEIRA, J. A.; TEIXEIRA, S. M. F. (Im)previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1985.
    BARRETO, M. R. N. A medicina luso-brasileira: instituições, médicos e populações enfermas em Salvador e Lisboa (1808–1851). 2005. 257 f. Tese (Doutorado) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2005.
    LALONDE, M. A new perspective on the health of canadians: a working document. Ottawa: Government of Canada, 1974.
    NUNES, E. D. A sociologia da saúde nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França: Panorama geral. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, 2003.
    EPP, J. Achieving health for all: a framework for health promotion. Ottawa: Health of Canadians, 1986.
    MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Org.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec,1997. 385p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As cartas da promoção da saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
    SANTOS, M. A.; OLIVEIRA, A. C. D. Atenção centrada na pessoa. Belo Horizonte: Nescon, 2013.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação de Acompanhamento e Avaliação. Avaliação na atenção básica em saúde: caminhos da institucionalização. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.
    OLIVEIRA, V. C. Comunicação, informação e ação social. In: Brasil. Ministério da Saúde. Organização do cuidado a partir de problemas: uma alternativa metodológica para a atuação da Equipe de Saúde da Família. Brasília: OPAS, p.65-74, 2000.
    MONNERAT, G. L.; SOUZA, R. G. Da seguridade social à intersetorialidade: Reflexões sobre a integração das políticas sociais no Brasil. R. Katál. Florianópolis, v. 14(1), 2011.
    REID, R.; HAGGERTY, J.; MCKENDRY, R. Defusing the confusion: concepts and measures of continuity of healthcare. Ottawa: Canadian Health Services Research Foundation; 2002.
    GRILLO, M. J. C. Educação permanente em saúde: um instrumento para a reorganização da atenção em saúde. Belo Horizonte: Nescon, 2012.
    ALMEIDA P. F. Estratégias de coordenação de cuidados: fortalecimento da atenção primária à saúde e integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Tese (Doutorado) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2010.
    MATUS, C. Fundamentos da planificação situacional. In: RIVERA, F.J.U. (Org.). Planejamento e programação em saúde: um enfoque estratégico. São Paulo: Cortez, 1989.
    CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000. In: Organização Pan-Americana da Saúde. Gestão de Redes na OPAS/OMS Brasil: Conceitos, Práticas e Lições Aprendidas. Organização Pan-Americana da Saúde. – Brasília, 2008.
    NUÑEZ, R.T.; LORENZO, I. V.; NAVARRETE, M. L. V. La coordinación entre niveles asistenciales: una sistematización de sus instrumentos y medidas. Servei d’Estudis i Prospectives en Polítiques de Salut, Consorci Hospitalari de Catalunya., Gac Sanit. 2006; 20(6):485-95. Barcelona, España.
    ESPAÑA. Ministerio de sanidad, política social e igualdad. Libro blanco de la coordinación sociosanitaria en España. 2011.
    FARIA, H. P. et al. Modelo Assistencial e Atenção Básica à Saúde. NESCON/UFMG - Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família . 2ed. Belo Horizonte, 2010. 67p.
    MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública. Modelos Assistenciais: Sistemas, Modelos e Rede de Atenção a Saúde [textos compilados por Eugênio Vilaça Mendes]. Belo Horizonte, 2013. 11 p.
    MENDES, E. V. O conceito de condições de saúde. Nescon/UFMG, 2012.
    MENDES, E. V. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
    RODRIGUES, M. P.; ARAúJO, M. S. S. O fazer em saúde: um novo olhar sobre o processo de trabalho na estratégia Saúde da Família. Natal: UFRN/UFPE. 7p. Disponível: . Acesso em: 30 jun. 2009.
    PIANCASTELLI, C. H; FARIA, H. P.; SILVEIRA, M. R. O trabalho em equipe. Núcleo de educação em Saúde Coletiva UFMG. Belo Horizonte, 2008.
    NOGUEIRA, R. P. O trabalho em serviço de saúde. Texto de Apoio da Unidade Didática 1. p.59-63.
    ORGANIZAçãO MUNDIAL DA SAúDE. Ottawa charter for health promotion first international conference on health promotion. Ottawa: OMS, 1986.
    RIVERA, F.J.U. (Org.) Planejamento e programação em saúde: um enfoque estratégico. São 91 Paulo: Hucitec, 1989.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: 2012
    MATUS, C. Política, planejamento e governo. Brasília: IPEA, 1993.
    SANTOS, M. Por uma geografia nova. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1990. 236p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.444, de 28 dez. 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada por meio do programa saúde da família. Diário Oficial da União, Brasília, 29 dez. 2000, seção 1.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro, PORTARIA Nº 2.203, de 5 de novembro de 1996. Aprova, nos termos do texto anexo a NOB 1/96, a qual redefine o modelo de gestão do Sistema Único de Saúde, constituindo, por conseguinte, instrumento imprescindível à viabilização da atenção integral à saúde da população e ao disciplinamento das relações entre as três esferas de gestão do Sistema. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde/ NOB – SUS, 96. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 267, de 6 mar. 2001. Brasília, 2001. Aprova as normas e diretrizes de inclusão da saúde bucal na estratégia do Programa de Saúde da Família (PSF).
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.4279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, online, 2010.
    ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital. Geneve: WHO Global Report, 2005.
    WORLD HEALTH ORGANIZATION. Organização Pan-Americana da Saúde. Preventing chronic diseases: a vital investment. Geneva: WHO Global Report, 2005.
    CARTA de Ottawa. Primeira conferência internacional sobre promoção da saúde. Ottawa, novembro de 1986. Ottawa: Organização Mundial da Saúde, 1986.
    WERNECK, M. A. Princípios para a organização de saúde. In: BRASIL. Ministério da saúde. Guia curricular para a formação do atendente de consultório dentário para atuar na Rede Básica do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 1998. 2v.
    FARIA, H. P. et al. Processo de trabalho em saúde. 2 ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed, 2009
    VALE, S. Psychosocial stress and cardiovascular diseases. Postgraduate Medical Journal, v.81, n.957, p.429-35, 2005.
    SIMMS, C.; ROWSON, M. Reassessment of health effects of the Indonesian economic crisis: donors versus the data. The Lancet, London, v. 361, p.1382-1385, nov. 2003.
    BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Recursos humanos: um desafio do tamanho do SUS/Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2004b.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Reforma do Sistema da Atenção Hospitalar Brasileira. Brasília: Editora MS, 2004
    MERHY, E.E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo. HUCITEC; 2002. 189 p.
    SÍNTESE do diagnóstico situacional. Equipe Verde de Saúde da Família de Vila Formosa - município de Curupira. Belo Horizonte. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. UFMG 2007.
    DONATO, A. F. et al. Sistemas locais de saúde, território e cidadania. Salvador: (Trabalho apresentado no seminário) Papel do Distrito Sanitário na organização do Sistema de Saúde, 1989. 18p.
    MARMOT, M.; WILKINSON, R. (Ed.). Social determinants of health: the solid facts. 2nd ed. Denmark: Word Health Organization, 2003. 33p.
    MCKEOWN, T. The role of medicine: dream, mirage, or nemesis? London: Nuffield Provincial Hospitals Trust, 1976.
    MARMOT, M. The status syndrome: how social standing affects our health and longevity. New York: Times Books, 2004.
    PEARCE, N. Traditional epidemiology, modern epidemiology, and public health. American Journal of Public Health, v. 86, n.5, p.678-683,1996.