NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    GOMES, L. B.; MERHY, E. E. A educação popular e o cuidado em saúde: um estudo a partir da obra de Eymard Mourão Vasconcelos. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 18, supl. 2, dez. 2014.
    ROZEMBERG, B.; MINAYO, M. C. de S. A experiência complexa e os olhares reducionistas. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 6, n. 1, 2001. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2008.
    EGRY, E.Y.; FONSECA, R.M.G.S. A família, a visita domiciliária e a enfermagem: revisitando o processo de trabalho da enfermagem em saúde coletiva. Rev. Esc. Enf. USP, vol. 34, n. 3, p. 233-239, set. 2000. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2008.
    ZIMERMAN, D. A importância dos grupos na saúde, cultura e diversidade. Vínculo,. 2007, v. 4, n. 4
    VIANA, Ana Luisa D’ávila; DAL POZ, Mario Roberto. A reforma do sistema de saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis, Rio de Janeiro, p. 225-264, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2008.
    VASCONCELOS, E. M.(Org.). A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001.
    RAUPP, B. et al. (Org.). A vigilância, o planejamento e a educação em saúde no SSC: uma aproximação possível? In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 207-216.
    ALMEIDA, S.A vivência no grupo: a experiência de pessoas diabéticas. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica; n. 28, v. 1)
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 44 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).
    SOLLA, J. J. S. P. Acolhimento no sistema municipal de saúde. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v. 5, n. 4, p. 493-503, out./dez. 2005.
    BORDENAVE, J.D. Alguns fatores pedagógicos [texto de apoio CADRHU Nescon), p. 261-268. Belo Horizonte: 1994.
    MELO, M. B. de; BRANT, L.C. Ato médico: perda da autoridade, poder e resistência. Psicol. Cienc. Prof. [on-line]. vol. 25, n. 1, mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    MARTINS, A. Biopolítica: o poder médico e a autonomia do paciente em uma nova concepção de saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., vol. 8, n. 14, p. 21-32, set. 2003-fev. 2004.
    DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cad. CEDES, Campinas, vol. 19, n. 44, 1998. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2007. Pré-publicação.
    BERSTEIN, M. Contribuições de Pichon-Rivière à Psicoterapia de Grupo. In: OSóRIO, Luiz C; col. Grupo terapia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.
    SILVA, A. A. Democracia e democratização da educação: primeiras aproximações a partir da teoria do valor. In: PARO, V. H. (Org.). A teoria do valor em Marx e a educação. São Paulo: Cortez Editora, 2006. p.11-31.
    L’ABBATE, S. Educação em saúde: uma nova abordagem. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 10, n. 4, 1994. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2007.
    GRILLO, Maria José Cabral. Educação permanente em saúde: um instrumento para a reorganização da atenção em saúde. Belo Horizonte, 2012. 8p.
    HADDAD, J. Q.; ROSCHKE, M. A.; DAVINI, M. C. (Ed.). Educación Permanente de Personal de Salud. Washington DC: OPS, 1994. 247 p. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos em Salud, 100).
    MUNARI, D. B.; RODRIGUES, A. R. F. Enfermagem e grupos. 2. ed. Goiânia: AB Editora, 2003.
    SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 39. ed. Campinas/SP: Autores Associados, 2007. 102 p. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, vol. 5).
    LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez Editora, 1994.
    PICHON-RIVIÈRE, E.; QUIROGA, A.P. de; GANDOLFO, C.; LAZZARINI, M. Grupo operativo y modelo dramático. Relato presentado en el Congreso Internacional de Psicodrama y en el Congreso Latinoamericano de Psicoterapia de Grupo, Bs. As., 1969. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2008.
    PORTARRIEU, M.L.; TUBERT-OKLANDER, J. Grupos operativos. In: OSóRIO, L.C. et al. Grupoterapia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.
    SOARES, Sônia Maria; FERRAZ, Aidê Ferreira. Grupos operativos de aprendizagem nos serviços de saúde: sistematização de fundamentos e metodologias. : ESCOLA ANNA NERY: REVISTA DE ENFERMAGEM, v. 11, n. 1, 14p., 2007.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b. 20 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    REDE Interagencial de Informação para a Saúde.Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. REDE Interagencial de Informação para a Saúde – Ripsa. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. 349 p.
    Jornal Sirimim
    BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Saúde. Jornal Sirimim, ano 2, n.1, set./out., 2003.
    BRASIL. Lei n° 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Lei nº 11.350/2006, de 05 de outubro de 2006. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Lei nº 8.080 - Lei Orgânica da Saúde, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set.1990.
    GAYOTTO, M. L. C.; DOMINGUES, I. Liderança: aprenda a mudar em grupo. Petrópolis: Vozes, 1998.
    FARIA, H. et al. Modelo assistencial e processo de trabalho em saúde. Belo Horizonte: NESCON/ UFMG, 2008.
    FERREIRA, A.B. de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. 1838 p.
    FRANCO, T. B.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 15, n. 2, 1999. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2008.
    FERRAZ, L.; AERTS, D.R.G. de C. O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 10, n. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2008.
    MERHY, E. E. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface (Botucatu), Botucatu, vol. 9, n. 16, p. 172-174, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2008.
    ADAMSON, G. O ECRO de Pichon-Rivière. São Paulo, 2000.
    FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. 5. ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.
    CARVALHO, M.A.P.; ACIOLI, S.; STOTZ, E.N.; VASCONCELOS, E.M. (Org.). O processo de construção compartilhada do conhecimento. In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: refl exões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 101-114.
    PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. (El proceso grupal). Tradução de Marco Aurélio Fernandes Velloso. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
    FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004. 148 p. (Coleção Leitura).
    GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo Perspec., São Paulo, vol. 14, n. 2, 2000. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus: Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União, Brasília 22 fev. 2006. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as Diretrizes para Implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 ago. 2007.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648. Brasília, 28 de março de 2006. Diário Oficial da União, 29 mar. 2006, Seção I. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.
    MUNARI, D. B. Processo grupal em enfermagem: possibilidades e limites. 1995. 130f. Tese(Doutorado) –Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP. Ribeirão Preto, 1995.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto MultiplicaSUS: oficina de capacitação pedagógica para a formação de multiplicadores. ROSSI, Silvana Solange (Org.) et al. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 84 p. (Série D. Reuniões e Conferências).
    CAMPOS, G. W. S. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In: MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Org.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997. p. 229-266.
    YALON, I. D. The theory and practice of group psychotherapy. New York: Basic Books, 1975.
    FARIA, H. de. et al. Modelo Assistencial em Saúde. In: ____. Unidade didática I: processo de trabalho em saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG; NESCON/UFMG, 2008.
    BENEVIDES, I. de A.; VASCONCELOS, E. (Org.). Viagem pelos caminhos do coração. In: ____. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 169-205.
    VISITA domiciliar. Canoa Quebrada, julho 2008. Vídeo, Windows Media Player (16 min.).
    TULIO, E. C.; STEFANELLI, M. C.; CENTA, M. de L. Vivenciando a visita domiciliar apesar de tudo. Fam. Saúde Desenv., Curitiba, vol. 2, n. 2, p. 71-79, jul./dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: mar. 2008.