NESCON MEDICINA UFMG Homepage NESCON

Referências

    BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990 . Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990. Disponivel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069compilado.htm
    BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto do idoso. 1. ed, 2ª reimp. Brasilia: Ministério da Saúde, 2003. Disponivel em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1992.pdf
    WORLD HEALTH ORGANIZATION . Health Promotion Glossary. 2008. Disponivel em: http://www.who.int/healthpromotion/about/HPR%20Glossary%201998.pdf
    BROUWER, B. G. et al. Leisure-time physical activity and risk of type 2 diabetes in patients with establish vascular disease or poorly controlled vascular risk factors. Diabetes Res Clin Pract, v. 87, n. 3, 2010. p. 372-6Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20047771
    DUMITH, Samuel C. . Proposta de um modelo teórico para a adoção da prática de atividade física. REVISTA BRASILEIRA DE ATIVIDADE FÍSICA & SAÚDE. Pelotas, v. 13, n. 2, p.110-120, 2008.
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira, 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 317p.
    SCHMID, Thomas L.; PRATT, Michael; WITMER, Lindsay . A framework for physical activity policy research. JOURNAL OF PHYSICAL ACTIVITY AND HEALTH. Champaign, v. 3, n. Suppl 1, p.s20-s29, 2006.
    ENGELS, F. A origem da família da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Global Editora, 1986.
    SILVEIRA FILHO, A. D. A Saúde Bucal nas esferas de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). In:. Atenção básica no sistema único de saúde: abordagem interdisciplinar para os serviços de saúde bucal.. São Paulo: Letras Editora e Gráfica, 2008. p.31-49
    LUZ, Madel T. As novas formas da saúde: práticas, representações e valores culturais na sociedade contemporânea. REVISTA BRASILEIRA SAÚDE DA FAMÍLIA. Brasília, v. 9, p.8-19, maio 2008.
    LUZ, Madel T. As novas formas da saúde: práticas, representações e valores culturais na sociedade contemporânea. REVISTA BRASILEIRA SAÚDE DA FAMÍLIA. Brasília, v. 9, p.8-19, maio 2008.
    AUSTRÁLIA. Australia’s Health 2010 AIHW. Disponível em: . Acesso em: 12mar. 2011.
    ISHIKAWA-TAKANA, K. et al. Beneficial effect of physical activity on blood pressure and blood glucose among Japonese male workers.. : Diabetes Res Clin Pract, v. 87, n. 3, p.394-400. 
    BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica . Diretrizes do NASF. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília, n. 27, 2009. 167p.Disponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica_diretrizes_nasf.pdf
    RHODES, R. E.; WARBURTON, D. E.; MURRAY, H . Characteristics of physical activity guidelines and their effect on adherence: a review of randomized trials. Sports Med, v. 39, n. 5, 2009. p.355-375Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19402741
    WORLD HEALTH ORGANIZATION . Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a Joint Expert Consultation. Geneva: Technical Report Series, 2003. x, 149p.
    HARRISON, R. A.; ROBERTS, C.; ELTON, P. J . Does primary care referral to an exercise programme increase physical activity one year late? A randomized controlled trial: J. Public Health, v. 27, n. 1, 2005. p.25-32
    BRASIL. Ministério da Saúde. ELSA Brasil: maior estudo epidemiológico da América. Latina Rev Saúde Pública, v. 43, n. 1, 2p., 2009.
    SEEFELDT, V.; MALINA, R. M.; CLARK, M. A. Factors affecting level of physical activity in adults. Sports Med, v. 32, n. 3, 2002. p.143-168Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11839079
    WOLEVER, R. Q. et al . Integrative health coaching for patients with type 2 diabetes: a ramdomized clinical trial. : Diabetes Educ, v. 36, n. 4, 2010. p.629-639
    LAAKSONEN, D. E. et al. Leisure-time physical activity and metabolic syndrome in the Finnish diabetes prevention study. : Diabetes Care, v. 33, n. 7, p.1610-1614, 2010.
    MONTEIRO, C. A. et al. . Monitoramento de fatores de risco para doenças crônicas por entrevistas telefônicas. : Revista de saúde Pública, v. 39, n. 1, p.47-57, 2005. 
    BRASIL. Ministério da Saúde. Mortes por doenças crônicas caem 17% no país. 2010. 
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais . Perfil das mulheres responsáveis pelos domicílios no Brasil 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. 75p.
    RHODES, R.E.; SMITH, N. E. I . Personality correlates of physical activity: a review and meta-analysis. : Br. J. Sports Med, v. 40, 2006. p.958-965.
    WANNAMETHEE, S. G.; SHAPER, A. G . Physical activity and cardiovascular disease. : Semin Vasc Med, v. 2, n. 3, 2002. p.256-66
     
    AUSTRÁLIA. Physical Activity. Resarch and Statistics (2007-2008).Disponível em: . Acesso em:16 mar. 2011.
    CAMPOS, Francisco Carlos Cardoso de ; FARIA, Horácio Pereira de; SANTOS, Max André dos . Planejamento e avaliação das ações em saúde. NESCON/UFMG - Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família . 2ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2010. 110p.
    IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. PNAD 2009: rendimento e número de trabalhadores com carteira assinada sobem e desocupação aumenta. : Sala de Imprensa: pesquisa nacional por amostra de domicílios, Disponivel em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=1708
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2007. 68p.
    BRASIL. Ministério da Saúde . Portaria n. 154 de 24 de janeiro de 2008. Brasília, v. 145, n. 18, 2008. p. 47-48
    KERN, M.; REYNOLDS, C. A. FRIEDMAN, H.S. Predictors of Physical Activity Patterns Across Adulthood: A Growth Curve Analysis. : Personality and social Psychology Bulletin, v. 36, n. 8, p.1058-1072, 2010.
    FARIA, Horácio Pereira de et al. Processo de trabalho em saúde. NESCON/UFMG - Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família . 2ed. Belo Horizonte: Coopmed, 2009. 68p.
    ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Notícias, 2010. Disponivel em : http://www.pnud.org.br/Default.aspx
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . Projeção da População do Brasil.: Notícia a imprensa, 2008. Disponivel em: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/
    CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA (BRASIL) . Recomendações sobre condutas e procedimentos do profissional de Educação Física na atenção básica à saúde. Rio de Janeiro: CONFEF, 2010. 48 p.
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . Resultado do Censo 2010. , 2010. Disponivel em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias
    HUDSON, C.; FORTIN, M.; SOUBHI, H . Single risk factor interventions to promote physical activity among patients with chronic disease: systematic review. : Can Fam Physician, v. 54, n. 8, 2008. p.1130-7. Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18697975
    BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais . Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. 280p.
    ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. Summary Health Statistics for U.S.Adults: National Health Interview Survey, 2009. : Vital and Health Statistics, 2009. Disponivel em: http://www.cdc.gov/nchs/data/series/sr_10/sr10_249.pdf
    BERTO, S. J. P.; CARVALHAES, M. A. B. L.; MOURA, E. C. Tabagismo associado a outros fatores de comportamentais de risco de doenças e agravos crônicos não transmissíveis. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 8, p.1573-1582, 2010.
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . Tábuas completas de mortalidade. : Notícia a imprensa, 2010
    DISHMAN, R.; SALLIS, J. F.; ORENSTEIN, D. R . The determinants of physical activity and exercise. Public Health Report, v. 100, n. 2, p.158-171, 1985. Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1424729/pdf/pubhealthrep00100-0048.pdf
    FOUCAULT, M. . Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.
    BRASIL. Ministério da Sáude. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa . Vigitel Brasil 2006: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 297p.
    BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, 2007. 149p.